publicado em: 18/08/2020

Atalanta: Uma surpresa longe de ser zebra

Atalanta, um time de uma pequena cidade italiana com pouco mais de 100 mil habitantes, que surpreendeu o mundo estreando pela primeira vez numa competição europeia e mostrando um futebol aplicado e ofensivo. O time acabou dando adeus a competição contra o PSG, mas seu legado é eterno assim como o amor da cidade de Bérgamo pelo clube. 

Com a chegada da pandemia na europa, a pequena cidade de Bérgamo na Itália se tornou uma das localidades com mais infectados, mas, mesmo com toda essa fatalidade, seus habitantes se uniram e conseguiram reverter o grave caso da doença na cidade e com certeza um dos fatores motivadores que ajudou a cidade nessa situação foi o clube da cidade. 

Desde 2016, em Atalanta, Gian Piero Gasperini teve paciência em reformular a equipe e trazer boas peças que não conseguiam se destacar em clubes maiores, mas nas mãos do técnico italiano e sua formação equilibrada que prioriza tanto a defesa e o ataque, conseguiam se destacar. Um exemplo disso é o jovem jogador alemão Mario Paselic, que não se destacou no também clube italiano Milan, mas nas mãos de Gasperini funcionou bem e foi quem marcou o único gol do time contra o PSG.

A mudança do clube que tem como conquista solitária uma copa da Itália nos anos 60, não é apenas tática mas também de gestão de elenco. O clube de Bérgamo não faz a muito tempo loucuras em suas contratações e prioriza jogadores talentosos de suas categorias de bases, como o zagueiro italiano titular Caldara.

Gasperini implantou na equipe um 3-4-1-2, com 3 zagueiros que por muitas vezes se aventuram no ataque como foi o caso do zagueiro brasileiro Tóloi, que contra o PSG passava do meio campo várias vezes, um meio campo com 2 alas talentosos, o holandês Hateboer e o alemão Gosens, Papu Gomez sendo o 10 clássico no meio campo e uma dupla de ataque afiada com Ilicic e Zapata com o colombiano Luis Muriel sendo o camisa 12 e fornecendo mais mobilidade ao ataque.

Com essa formação a equipe italiana se torna bastante ofensiva, rompendo um pouco da cultura defensiva do campeonato italiano. O time fica quase inteiro no campo de ataque sufocando a saída de bola e se tornando bastante eficiente em seus contra ataques. 

Apesar da eliminação deve-se levar em conta que apesar de mais organizado que o PSG, faltaram peças de reposição para o time italiano e a entrada de Mbappe acabou sendo crucial ao clube, pois as linhas ofensivas tiveram que ser recuadas.

2020/2021 é um nova temporada e o clube de Gasperini que conquistou a terceira colocação no campeonato italiano estará na Champions novamente e com certeza dando sufoco para os grandes e alegrando a cidade de Bérgamo.

Publicado por Yuri Melo
Um jornalista em formação sempre em busca de mais conhecimento.